Lotes Favoritos

Você precisa estar logado para visualizar os seus lotes favoritos

Dólar opera em queda em dia de posse de Biden e de Copom

Na terça-feira, moeda norte-americana fechou em alta de 0,78%, a R$ 5,3456.

 

O dólar opera em queda nesta quarta-feira (20), em dia de decisão do Banco Central sobre a taxa básica de juros no Brasil e de posse de Joe Biden como novo presidente dos Estados Unidos.

Às 12h06, a moeda norte-americana caía 0,89%, a R$ 5,2980. Veja mais cotações.

Já o Ibovespa opera em alta.

Na terça-feira, o dólar fechou em alta de 0,78%, a R$ 5,3456. No mês e no ano, passou a acumular avanço de 3,05%.

Cenário global e local

No exterior, permanecia o clima mais positivo ao risco nos mercados após na véspera a indicada para comandar o Tesouro dos Estados Unidos, Janett Yellen, defender grandes gastos para estimular a economia.

Mais estímulos nos EUA significam mais liquidez que pode migrar para mercados de maior risco, como o Brasil, estimulando entrada de dólares e potencialmente baixando o preço da moeda.

Nos Estados Unidos, o presidente eleito Joe Biden anunciou nesta quarta-feira, horas antes da posse, uma série de medidas que serão tomadas no primeiro dia no cargo, incluindo o retorno dos EUA à OMS (Organização Mundial da Saúde) e ao Acordo de Paris para o Clima e a reversão de várias outras decisões do atual presidente americano, Donald Trump, como a construção do muro na fronteira com o México e o veto à entrada de cidadãos de países muçulmanos nos EUA.

Por aqui, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anuncia a partir das 18h30 a decisão sobre o nível da taxa básica de juros. A expectativa dos analistas é que a taxa deve permanecer na mínima histórica de 2% ao ano, com muitos no mercado contando que o BC retirará do comunicado a promessa de manter os juros caso certos critérios sejam respeitados. O entendimento seria o primeiro passo para se vislumbrar uma volta da alta da Selic.

Segundo analistas, um dos motivos para a pressão sobre o real é o juro em patamar muito baixo, que deixa a moeda mais vulnerável a operações de hedge ou de financiamento para apostas em outras divisas.

As atenções seguem voltadas para os percalços para o avanço da vacinação contra o coronavírus no Brasil. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou nesta terça-feira (19) que a entrega da vacina de Oxford contra a Covid-19 vai atrasar de fevereiro para março por ainda não ter recebido da China um dos insumos para a fabricação do imunizante.

A percepção de que a imunização contra a Covid-19 no Brasil será lenta e sujeita a reveses tem elevado receios quanto à força da recuperação da economia e alimentado temor de criação de novas despesas para fazer frente à pandemia.

O mercado tem monitorado com atenção a campanha por eleição na Câmara e no Senado para calcular riscos de nova pressão por mais gastos, que também podem vir de dentro do próprio governo.